Santiago, 16 de Dezembro de 2017 22 h 13 min °C °C
Hospital de Caridade de Santiago
  Página Inicial
  O Hospital
  Informações ao Paciente
  Diagnóstico por Imagem
  Setores
  Centro de Diálise
  Pronto Saúde
  Projeto Humanizar 2017
  Ouvidoria
  Notícias
  Dicas
  Galerias
  Busca
  Contato
Tratamento


Respondendo sobre o tratamento da insuficiência renal crônica

O que é a diálise?

É um tratamento que funciona como um substituto dos rins: filtra o sangue, elimina as substâncias tóxicas que os rins não conseguem eliminar e retira o excesso de água do organismo.

A diálise pode ser de dois tipos:

A . Diálise peritoneal

A diálise peritoneal é um tratamento que substitui as funções dos rins.  O objetivo é retirar o excesso de água e as substâncias que não são mais aproveitadas pelo corpo e que deveriam ser eliminadas através da urina.  Este tipo de diálise aproveita o revestimento interior do abdômen, chamado membrana peritoneal, para filtrar o sangue.

Tipos de diálise peritoneal:

Diálise peritoneal ambulatorial contínua: é também conhecida como CAPD ou DPAC é a forma mais comum de diálise peritoneal e especialmente indicada para pacientes idosos, crianças ou aqueles para os quais a hemodiálise não é conveniente ou possível.    Geralmente é realizada em casa, em um local limpo e bem iluminado. O próprio paciente pode fazer a infusão e a retirada (drenagem) da solução de diálise no abdômen ou pode ser auxiliado por uma outra pessoa especialmente treinada para fazer estas trocas de bolsas de solução.  O sangue durante a CAPD está sendo filtrado o tempo todo.  A solução de diálise é infundida através do cateter até a cavidade abdominal e aí permanece por várias horas.  A solução é então drenada e uma nova solução volta a encher o abdômen, recomeçando o processo de filtração.

Diálise peritoneal automatizada cíclica – DPAC – APD: é parecida com a CAPD, porém nesta deve-se conectar o cateter a uma máquina que enche o abdômen e drena a solução de diálise automaticamente.  Este método é geralmente realizado durante a noite, enquanto o paciente dorme, permitindo maior liberdade ao paciente durante o dia.

Caso você deseje informações a respeito deste tratamento, pergunte ao médico e ou enfermeiro(a) responsável pelo seu tratamento.

B . Hemodiálise

A hemodiálise é um procedimento que filtra o sangue.  Através da hemodiálise são retiradas do sangue substâncias que quando em excesso trazem prejuízo ao corpo, como uréia, potássio, sódio e água.

Como funciona a hemodiálise?

A hemodiálise é feita com a ajuda de um dialisador (capilar ou filtro). O dialisador é formado por um conjunto de pequenos tubos.  Durante a diálise, parte do sangue é retirado, passa através da linha arterial do dialisador, onde o sangue é filtrado e retorna ao paciente pela linha venosa.

Em geral, a hemodiálise é feita três vezes por semana, com duração de quatro horas.  Podem existir variações neste tempo de acordo com o tamanho, idade e necessidade de cada cliente-paciente. A dose de hemodiálise é prescrita individualmente pelo médico, baseado nos exames de rotina e avaliações clinicas periódicas, com a participação da equipe multidisciplinar.

C. Transplante renal

É o tratamento mais natural da substituição para a falência renal, que lhe garante o retorno da sua qualidade e estilo de vida, anterior a doença.  A preparação para o transplante renal requer uma série de exames de compatibilidade entre o doador e receptor e de controles clínicos, além de uma atenção especial  da equipe multidisciplinar.  O procedimento é feito cirurgicamente, onde o novo rim é colocado no abdômen sem a necessidade da remoção dos rins doentes. A indicação do transplante renal é médica e apesar de todos os pacientes serem candidatos, existem algumas indicações e contra-indicações clínicas específicas.

Dentro desta opção o rim a ser transplantado pode ser:

Doador vivo: enxerto renal provenientes de membros da família;
Doador cadáver: enxerto renal proveniente de um indivíduo já falecido, que submetido a uma série de análises histológicas é compatível e adequado para o receptor, candidato. Obedece a uma lista única de candidatos previamente escritos.

A equipe multidisciplinar está apta a esclarecer dúvidas a respeito do processo de encaminhamento e acompanhamento do Transplante Renal

Qual a participação da família?

Para que o tratamento seja possível, é necessário que haja uma colaboração e acompanhamento de todo o pessoal que trata de pacientes renais e principalmente da família.  A participação da família consiste em controlar corretamente a prescrição médica tanto em relação aos medicamentos, como em relação à dieta que o paciente deverá fazer em casa. Promover e estimular o auto-cuidado, favorecendo assim para que seja o maior responsável pelo seu tratamento.

 
  Galeria de fotos
+ ver mais  
 
Copyright © 2009 - Hospital de Caridade de Santiago - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Index1.